Portal Oficial do Governo da República de Angola
Governo

Discurso do Presidente por ocasião da visita do Chefe de Estado do Gana

Íntegra do discurso pronunciado na sexta-feira, 9, em Luanda, pelo Presidente da República, João Lourenço, por ocasião da visita oficial do Chefe de Estado do Gana, Nana Addo Dankwa Akufo-Addo.


-Sua Excelência Nana Addo Dankwa Akufo- Addo, Presidente da República do Gana,



-Excelentíssimos senhores membros das delegações angolana e ganense,



-Distintos convidados,



-Minhas senhoras, meus senhores,



É com bastante regozijo que dou as boas-vindas à Vossa Excelência e à delegação que vos acompanha, fazendo votos de boa estadia em Angola e que durante esta sua primeira visita ao nosso país, usufrua da hospitalidade do povo angolano, que mantém com o povo ghanense uma longa história de amizade, solidariedade e cooperação.



Desde os primórdios da nossa luta de libertação nacional e da fase posterior à nossa Independência que contamos com o apoio fraterno do povo e das autoridades ghanenses na defesa da nossa causa.



Continuam assim vivos os ideais defendidos pelos saudosos Presidentes Kwame Nkruma e Agostinho Neto na nossa caminhada comum pela paz, pela democracia, pelo progresso social e o desenvolvimento.



A visita de Vossa Excelência simboliza não só a evidência dessas relações históricas, como constitui igualmente a prova da vontade política de estabelecermos um canal de diálogo que nos permite abordar de forma mais directa temas de interesse comum ao nível bilateral e internacional.



Como é do conhecimento de Vossa Excelência, data de Fevereiro de 1981 o primeiro Acordo de Cooperação que criou a Comissão Mista Económica Permanente entre os nossos países, mas desde então que as várias tentativas de se alargar a nossa cooperação, não tiveram os resultados à altura dos laços que nos unem. 



Esta é pois, uma ocasião oportuna para fazermos um balanço do que se passou e para perspectivarmos as acções futuras.



Estou confiante que podemos fazer muito mais, tendo em conta as potencialidades e oportunidades que cada um dos nossos países pode oferecer em vários sectores, como por exemplo no ensino superior, nas ciências e tecnologias de informação, nas pescas, nos transportes aéreos e marítimos, na energia e águas, na construção civil, nos petróleos, na indústria, na agricultura, no turismo, no ambiente, na saúde, na cultura e nos desportos.



É tempo de passarmos dos projectos às acções concretas. Os empresários ganenses têm no nosso mercado muitas oportunidades de negócios, quer de forma directa quer em parcerias com empresas públicas e privadas e as nossas portas estão abertas para eles.



Os acordos que viermos a assinar com a reactivação da Comissão Mista Bilateral e no domínio da supressão de vistos, podem permitir a redinamização da nossa cooperação.



Espero pois, que a visita de Vossa Excelência marque não só uma nova dinâmica na cooperação entre os nossos países, mas que nos permita também trabalhar juntos para o reforço da unidade entre os povos africanos e para cumprirmos os compromissos assumidos na materialização da integração regional e continental.



Excelência,



Minhas senhoras, meus senhores,



O Gana foi no passado uma das mais florescentes civilizações de África e continua no presente a ser modelo de maturidade política e de respeito pelos valores democráticos, como o demonstra a decorrido a altemância das forças no poder no vosso país.



Este é um desafio que temos de ver superado também em outras regiões do nosso continente, pois a não observação dos princípios básicos de um Estado Democrático de Direito aprofunda as divisões e o ódio étnico-racial, que só causam conflitos e adiam o cumprimento dos objectivos fixados pelas Nações Unidas e pela União Africana.



Os conflitos armados, a pobreza extrema e a falta de uma liderança capaz, são os factores que mais contribuem para travar o desenvolvimento socio-económico de Africa e desvirtuar os esforços que alguns países tais como o Gana, têm vindo a fazer para criar um clima propício à atracção de investimentos públicos ou privados estrangeiros, em parcerias mutuamente vantajosas.



Para inverter este quadro, temos de apostar seriamente na juventude africana, força motriz das economias de nossos países, proporcionando-lhe as oportunidades para se afirmarem na sociedade.



No âmbito da cooperação regional, devemos continuar a centrar a nossa atenção nas reformas da União Africana, que visam tomar esta organização continental mais adaptada às realidades e exigências actuais.



Ao nível das nossas sub-regiões, temos vários desafios a considerar, sobretudo os que têm a ver com a instabilidade resultante de conflitos pós-eleitorais, inter-étnicos e do extremismo e fundamentalismo religioso.



Estamos a acompanhar com bastante preocupação a situação na Líbia, na República Democrática do Congo e na República Centro-Africana, onde persiste um clima de instabilidade por acção de grupos armados.



Termino, reiterando a Vossa Excelência o engajamento do governo da República de Angola em continuar a colaborar com o Governo do Gana na resolução dos diversos problemas que afligem o nosso continente.



Reitero a Vossa Excelência e à delegação que o acompanha os meus votos de boas- vindas e, em meu nome e em nome do povo angolano, transmito-lhe o sentimento de amizade e fraternidade que liga o povo angolano ao povo irmão do Gana.



Muito obrigado!