Portal Oficial do Governo da República de Angola
soc

Municípios constituem o ponto estratégico do combate à pobreza

Luanda- Os municípios assumem uma responsabilidade estratégica na implementação com êxito do Programa Integrado de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza, afirmou, na última quinta-feira (02/05), a ministra da Acção Social,Família e Prom... Ver mais


Faustina Alves falava na reunião com os administradores municipais da Província de Luanda, onde analisou-se as acções realizadas em 2018 no âmbito do programa e as perspectivas para 2019.



Salientou que é no município onde encontramos os problemas e os vários fenomenos que afectam social e economicamente os  grupos alvo, referindo-se a criança, a mulher, as pessoas com deficiência, os idosos e ex-militares, em situação de vulnerabilidade e pobreza extrema.  



Acrescentou que  o programa é de iniciativa presidencial,  e exige , o redobrar de sinergias para que até 2022, consiga-se  atingir um número razoável de famílias em situação de vulnerabilidade, mitigar alguns riscos, proteger os que necessitam e promover o bem-estar das famílias.



A ministra aproveitou a ocasião para reafirmar a importância de se reforçar os mecanismos de acompanhamento e da fiscalização para permitir que se faça a avaliação do impacto do programa, propondo correções e ajustamento sempre que for necessário em tempo oportuno.



No entanto o encontro serviu essencialmente para  realinhar as acções do programa, partilhar experiências para o cumprimento das acções inscritas no Programa de Combate à Pobreza, e contou com as presenças do governador da Província de Luanda, Luther Rescova Joaquim, da Secretária do Presidente da República para os Assuntos Sociais, Fátima Viegas, Distintos secretários de Estado, membros do Grupo Técnico, administradores Municipais e directores do Governo Provincial e do MASFAMU.



O Programa de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza(PIDLCP) , em alinhamento com o Plano de Desenvolvimento Nacional Nacional (PND)2018/2022, actuam com base na articulação de várias intervenções sectoriais, como espelha o Decreto presidencial nº 36/19, de 31 de janeiro, que elege o Município como unidade territorial principal de implementação.



 Luanda- Os municipios assumem uma responsablidade estratégica na implementação com êxito do Programa Integrado de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza, afirmou, na última quinta-feira (02/05), a ministra da Acção Social,Família e Promoção da Mulher, Faustina Alves.



Faustina Alves falava na reunião com os administradores municipais da Província de Luanda, onde analisou-se as acções realizadas em 2018 no âmbito ro programa e as perspectivas para 2019.



Salientou que é no município onde encontramos os problemas e os vários fenómenos que afectam social e económicamente os  grupos alvo, referindo-se a criança, a mulher, as pessoas com deficiência, os idosos e ex-militares, em situação de vulnerabilidade e pobreza extrema.  



Acrescentou que  o programa é de iniciativa presidencial,  e exige , o redobrar de sinergias para que até 2022, consiga-se  atingir um número razoável de famílias em situação de vulnerabilidade, mitigar alguns riscos, proteger os que necessitam e promover o bem-estar das famílias.



A ministra aproveitou a ocasião para reafirmar a importância de se reforçar os mecanismos de acompanhamento e da fiscalização para permitir que se faça a avaliação do impacto do programa, propondo correções e ajustamento sempre que for necessário em tempo oportuno.



No entanto o encontro serviu essencialmente para  realinhar as acções do programa, partilhar experiências para o comprimento das acções inscritas no Programa de Combate à Pobreza, e contou com as presenças do governador da Província de Luanda, Luther Rescova Joaquim, da Secretária do Presidente da República para os Assuntos Sociais, Fátima Viegas, Distintos secretários de Estado, membros do Grupo Técnico, administradores Municipais e directores do Governo Provincial e do MASFAMU.



O Programa de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza(PIDLCP) , em alinhamento com o Plano de Desenvolvimento Nacional Nacional (PND)2018/2022, actuam com base na articulação de várias intervenções sectoriais, como espelha o Decreto presidencial nº 36/19, de 31 de janeiro, que elege o Município como unidade territorial principal de implementação.