Portal Oficial do Governo da República de Angola
Ciência e Tecnologia

Angolanos formados em Engenharia Aeroespacial

Cerca de quarenta e sete engenheiros espaciais formados na Argentina, China, Coreia, no Brasil, Japão e Rússia garantem o funcionamento Angosat1, que entra em órbita em breve.

Cerca de quarenta e sete engenheiros espaciais formados na Argentina, China, Coreia, no Brasil, Japão e Rússia garantem o funcionamento do Angosat1, satélite angolano que entra em órbita em breve.

A equipa de engenheiros é composta por 13 em canal de serviço, nove em análise de sistema, sete em planeamento, seis em administração de redes, igual número de directores de voo, quatro em balística e dois em gestão de projectos

Os especialistas, formados em sete fases, concluíram as três mil horas de aulas em engenharia e tecnologia espacial, construção de nano e pico satélites, revisão e aceitação técnica de projectos espaciais, formação sobre HUB Vsats, operações e missões espaciais, certificação em arquitectura do Angosat1 e certificação de especialização em operação e controlo do Angosat 1.

Peritos angolanos encontram-se na Rússia para acertar com a parte russa os termos e data final para o lançamento do satélite que se espera antes do final deste ano. A entrada em órbita do satélite angolano estava prevista para Agosto último.

O satélite angolano Angosat, construído na Rússia, com mil 55 quilogramas e 262.4 quilogramas de carga útil, ficará na posição orbital 14.5 E e terá uma potência de três mil 753 W, na banda CKu, com 16C+6Ku repetidores. Terá 15 anos de "vida útil".

O centro de controlo e missão de satélites do Angosat1, na comuna da Funda, norte da província de Luanda, como satélite geoestacionário artificial, o Angosat está localizado 36 mil quilómetros a nível do mar. Sua velocidade coincide com o da rotação da terra e consegue cobrir um terço do globo terrestre.

A duração da construção do Angosat1 estava projectado para 36 meses. O satélite angolano vai possuir um centro primário de controlo e missão em Angola e outro secundário na Rússia.

Angop