Portal Oficial do Governo da República de Angola
Economia

Entregues obras de reabilitação e modernização dos CFM

Já estão concluídas as obras de reabilitação e modernização dos Caminhos de Ferro de Moçâmedes, voltadas para a livre circulação de pessoas e bens e no sentido de dinamizar a actividade económica e empresarial na região sul do país.

O Presidente do Conselho da Administração do CFM-EP, Daniel Quimpaxe, disse durante a cerimónia de recepção provisória da conclusão das referidas obras, que o feito marca o relançamento da actividade de transporte ferroviário nesta região do país.

“Volvidos aproximadamente 10 anos, altura em que foi lançada a primeira pedra para a reabilitação das infra-estruturas ferroviárias desta empresa, vemo-nos hoje envoltos a uma nova realidade que, integra a malha ferroviária geral do País, um dos grandiosos passos do executivo no sentido de dar resposta ao direito dos angolanos a um transporte digno”, disse.

Iniciados em 2005, os trabalhos estiveram a cargo da empresa Chinesa China Hayway, e incidiram na substituição de toda a linha férrea no troço Namibe, Lubango e Menongue, incluindo os ramais de Jamba e Tchamutete, fazendo um total 860 Quilómetros de extensão.

As obras permitiram ainda a construção de 56 estações ao longo de toda a linha férrea, sendo 3 especiais no Sacomar (Namibe), Lubango e Menongue, 7 estações de primeira Classe, no Namibe, Bibala, Quipungo, Matala e Jamba, bem como 46 estações de segunda e terceira classes.

Para a acomodação dos trabalhadores do CFM, a empresa construiu 691 residências e 12 dormitórios ao longo de todo o ramal da linha férrea, bem como, a edificação de 4 escolas do ensino primário, com vista a responder aos compromissos sociais.

O Presidente do Conselho de Administração dos Caminhos-de-Ferro de Moçâmedes (CFM-EP) revelou que a empreitada insere-se na execução das acções constantes do plano estratégicos e de negócios 2014/2017.
Com vista a assegurar a comodidade das cargas, Daniel Quimpaxe, explicou que foram igualmente construídos 7 armazéns com cais e 17 apeadeiros, sem descurar da reabilitação das oficinas do CFM-EP no Namibe e Sacomar.

Para o administrador municipal da Matala, Miguel Paiva Vicente, a recepção das obras dos Caminhos-de-Ferro, vai permitir o escoamento de vários produtos do campo, pelo facto de o Município ser potencialmente agrário.

“Com a recepção das obras vários problemas que os camponeses da nossa municipalidade enfrentavam no escoamento de produtos, que antes pereciam por falta de mercado, hoje têm mais uma opção de transporte para os mercados de Menongue e Namibe, além do Lubango”, reconheceu.

Estiveram presentes na cerimónia de recepção provisória, a Vice-Governadora para o sector político e social, Maria João Tchipalavela, o Vice-Governador para a área técnica e infra-estruturas, Nuno Bernabé Mahapi Ndala, o Director Geral do Instituto Nacional dos Caminhos-de-Ferro, Júlio Bango Joaquim.
Desde a sua inauguração em Agosto de 2012, pelo Presidente da República, os Caminhos-de-Ferro de Moçâmedes, já realizaram cerce de 13 mil comboios comerciais nas rotas Namibe, Lubango e Menongue.


Por João Katombela